Sem noção: Promotor de justiça de Coari quer que governo revogue decreto que visa contenção do coronavírus

Em meio à crise mundial em torno do Covid-19, o coronavírus, em que as autoridades têm feito o possível para evitar que as pessoas se aglomerem u tenham contato, para que a doença seja controlada, o promotor de justiça do Ministério Público do Estado do Amazonas, Wesley Aguiar, que atua em Coari, fez uma recomendação ao governador Wilson Lima, para que revogue o art. 3º do Decreto n. 42.099/2020, que determinou a suspensão do funcionamento de todas as igrejas, templos religiosos, lojas maçônicas e estabelecimentos similares.

A recomendação foi publicada no Diário Oficial do MP-AM desta terça-feira, 24 de março. No texto, o promotor pede ainda que o governador “determine a paralisação de qualquer medida coercitiva tendente a efetivar a ordem de suspensão de funcionamento de todas as igrejas, templos religiosos, lojas maçônicas e estabelecimentos similares”.

Com sua atitude, o promotor parece ignorar as recomendações da Organização Mundial de Saúde (OMS), do Ministério da Saúde (MS) e diversas autoridades sanitárias que recomendam amplamente a não aglomeração de pessoas, contrariando as campanhas de conscientização difundidas pelos órgãos competentes.

No mesmo texto ele ainda “Recomendar ao ao Sr. Adail José Figueiredo Pinheiro, Prefeito do Município de Coari, para que adote as seguintes medidas: determine, no âmbito do Município de Coari, no exercício de suas competências de cuidar da saúde e assistência pública (art. 23, II da CF/88), aos órgãos municipais a execução dos serviços de atendimento à saúde da população (art. 30, VIII da CF/88), adotar as medidas de conscientização e de fiscalização para a população que decida a, nesse grave momento de crise vivenciada no mundo, comparecer nas igrejas, nos templos religiosos, nas lojas maçônicas e em estabelecimentos similares”.

Vale lembrar que as atitudes do promotor contrariam o próprio Ministério Público, que tomou todas as medidas de prevenção determinadas pelo MS e tem sido determinante neste momento de crise.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *