O petróleo que é deles – Por Alexandre Garcia

Fernando Gabeira, meu ex-colega de “Jornal do Brasil”, lembra que nos anos 50 e 60 saía às ruas vociferando “O Petróleo é Nosso!”. Agora, diz ele, se percebe que o PT e o PMDB levaram o slogan ao pé da letra, sem terem entendido que a voz das ruas dizia que o petróleo, nosso, é do Brasil.

Em anos mais recentes, lembro que a militância saiu às ruas contra a  suposta ideia, atribuída ao governo tucano, de privatizar a Petrobras. Agora se fica com a impressão de que, convencidos de que a estatal será privatizada, preferiram antes reduzi-la a pó, para não entregar a joia do Estado brasileiro a uma petroleira particular.

Alexandre Garcia Articulista - da agência “Alô Comunicação”
Alexandre Garcia Articulista – da agência “Alô Comunicação”

O aparelhamento partidário da empresa fez a ela tanto mal quanto fizeram os partidos que comandavam as siderúrgicas estatais. Enquanto estatais, sempre deram prejuízo. Privatizadas, passaram a render. Retiradas nomeações de diretores por seus padrinhos políticos, com cargos ocupados por quem é do ramo, as siderúrgicas cresceram e lucraram.

A briga entre os senadores Renan Calheiros, do PMDB, e Delcídio Amaral, do PT, um empurrando para o outro a nomeação de Nestor Cerveró para a Diretoria Internacional da Petrobras ilustra bem quem manda, afinal, na estatal.

Cerveró foi quem fez o resumo aprovado em reunião presidida por Dilma, para comprar uma refinaria no Texas, recém-negociada por 42 milhões de dólares. A Petrobras acabou pagando 1 bilhão e 200 milhões de dólares por ela. Agora o senador que o nomeou não quer assumir a responsabilidade. Aliás, o presidente era Lula e foi quem deu a aprovação decisiva ao mau negócio.

Na casa do ex-diretor de refino e abastecimento da Petrobras, Paulo Roberto Costa, que está preso, a polícia encontrou 700 mil reais e 200 mil dólares em dinheiro vivo. Não creio que esse dinheiro todo seja do ex-diretor.

É possível que ele estivesse guardando para alguém vir buscar na cueca. O episódio faz crer que funcionários de carreira nomeados por partidos e políticos, ficam a serviço desses, desvestindo-se da camisa da Petrobras. Ganham outros patrões e atuam a serviço de formação de, no mínimo, “verbas de campanha”.

Agora se descobre que a grande refinaria Abreu e Lima, em Pernambuco não é – como se anunciou tantas vezes em discursos do então presidente – uma parceria de capitais entre Venezuela e Brasil.

A parceria foi apenas de discurso, entre Chavez e Lula, dois bem-dotados de gogó. Na vida real, o Brasil está entrando sozinho com a conta da instalação da refinaria, que pode chegar a 20 bilhões de dólares. O projeto inicial era de 2,5 bilhões.

O homenageado, general José Inácio de Abreu e Lima, pernambucano, lutou ao lado de Simon Bolívar pela independência da Venezuela. O ingrato calote deve tê-lo feito revirar-se no túmulo, no Cemitério dos Ingleses, em Recife.

Desmanche – Lembro de quando um colega de ginasial me pediu emprestado o relógio Roamer que eu havia ganho de minha tia. Ele demorou dias para devolver e fui à casa dele, saber o que acontecia. Era filho do sapateiro e o quarto dele ficava logo atrás da oficina do pai.

Fui entrando, como fazia sempre e encontrei uma surpresa sobre a mesa de estudo de meu amigo João Carlos: meu relógio havia sido desmontado e ele não sabia como remontar. Recordo isso ao observar o que o governo tem feito com a herança recebida.

Mexeram na engrenagem mais sensível do relógio da economia: o preço da energia – justo o ponto em que a presidente teria fama de entender. O aparelhamento partidário levou a nossa petroleira às páginas policiais.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *