“Eu matei porque ele tentou me estuprar,” disse a jovem que matou forneiro

“Eu matei porque ele tentou me estuprar”, disse Cristiane Vilaça da Silva, 19, conhecida como ‘Casqueta’, confessando que matou o forneiro Joabe de Souza Moreira, 27, que foi encontrado morto na manhã dessa quinta-feira (21), dentro da dentro da quitinete onde morava, na rua C, bairro Campos Sales, Zona Oeste de Manaus.

Cristiane foi autuada por homicídio. Após os procedimentos cabíveis será encaminhada ao Centro de Detenção Provisório Feminino (CDPF) – foto: Ana Sena
Cristiane foi autuada por homicídio. Após os procedimentos cabíveis será encaminhada ao Centro de Detenção Provisório Feminino (CDPF) – foto: Ana Sena

Cristiane foi presa em flagrante, horas depois do crime, em via pública, na Rua 7, mesmo bairro onde cometeu o assassinato, após a polícia identificá-la através de imagens das câmeras de segurança de uma residência que fica próxima à casa da vítima.

A jovem ainda relatou à polícia que, horas antes de cometer o crime, a vítima ofereceu a quantia de R$ 50 para ela praticar sexo com ele e com outro homem que não teve o nome revelado, ela aceitou e eles foram para um motel.

Porém, depois que saíram do motel, o forneiro a convidou para ir até sua casa, onde teria tentando novamente ter relações sexuais com ela. Porém, como ela se negou, ele tentou estuprá-la.

“Eu disse que não, mas mesmo assim ele me pegou a força e tentou me estuprar, por isso o matei. Eu sou usuária de droga e no momento do crime  estava sob efeito de cocaína. Ele também estava muito drogado. Estou arrependida”, disse a jovem.

Contrariando o relato de Cristiane, o delegado Ivo Martins, titular da Delegacia Especializada em Homicídios e Sequestros (DEHS), falou que a versão da jovem não confere.

“Segundo a perícia feita no local e no corpo da vítima, a suspeita estava em cima dele quando o matou, então descarto a possiblidade que ele tenha tentado estuprá-la”, disse Ivo Martins.

Cristiane foi autuada por homicídio. Após os procedimentos cabíveis será encaminhada ao Centro de Detenção Provisório Feminino (CDPF), localizado no quilometro 8 da BR-174.

 

Com Informações de Ana Sena
Matéria: Mara Magalhães
Fonte: Portal Em Tempo

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *