Estado retomará revitalização do igarapé de Manaus e lançará pacote de obras para o Parque das Águas

O Governo do Amazonas construirá, no Centro de Manaus, o Parque das Águas, empreendimento ambiental que faz parte do cumprimento de uma das mais importantes metas remanescentes do Programa Social e Ambiental dos Igarapés de Manaus (Prosamim I), e que deixou de ser cumprida por governos anteriores durante a vigência do contrato, entre 2006 e 2009, sendo incorporada à última etapa do projeto.

“A proposta é proteger uma área de 9,5 mil metros quadrados, entre as ruas Jonathas Pedrosa e Barcelos, de ações que possam causar danos ambientais muitas vezes irreversíveis”, explicou o governador Wilson Lima. O investimento previsto é de R$ 5,41milhões.

A medida adotada por orientação do próprio governador, e publicada no Diário Oficial da União (DOU) desta sexta-feira (1/03), inclui a revitalização da cabeceira do igarapé de Manaus e a macrodrenagem do igarapé do Mestre Chico, ambos integrantes da Bacia do Educandos. Cerca de R$ 2,66 milhões serão destinados pelo Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) para desapropriações. Da parcela restante, relativa especificamente à obra, a maior parte será em forma de contrapartida do Estado e outros 5%, da organização financeira internacional.  A ordem de serviço será assinada em março, com previsão de execução em 120 dias.

A obra será coordenada pela Secretaria da Região Metropolitana de Manaus (SRMM), através da Unidade Gestora de Projetos Especiais (UGPE). “Temos o compromisso de cumprir essa meta, que foi incorporada à terceira etapa do Prosamim, e ficou pendente em administrações anteriores. É um projeto importante do ponto de vista ambiental e reforça o comprometimento do Governo do Estado em amparar políticas e ações que resultem na preservação e conservação dos igarapés urbanos”, destacou o titular da SRMM, Carlos Henrique dos Reis.

A manutenção e interiorização do programa fazem parte do plano de metas do atual governo. De acordo com o coordenador executivo da UGPE, Marcellus Campêlo, uma licitação nacional determinou a empresa contratada para os trabalhos. Ele explica que, em função das desapropriações, o processo será desenvolvido em parceria com a Superintendência Estadual de Habitação (Suhab). “Faremos o reassentamento de uma parte dos imóveis, o que já está incluso na meta de engenharia do Prosamim”, reforçou.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *