“Ato imoral só foi derrubado por pressão popular”, diz Wilker após governador revogar salários


O deputado estadual Wilker Barreto (Podemos) comemorou, nesta quinta-feira (9), o anúncio do governador do Amazonas, Wilson Lima, em revogar o aumento de 225% dos salários de 140 funcionários lotados em cargos do alto escalão do Executivo, assunto que gerou manchete nos principais noticiários do País. O parlamentar afirmou que a decisão do Governo foi uma vitória do povo e alertou que a atual gestão precisa ter mais sensibilidade com seus atos administrativos.

“Isso foi uma vitória do povo, dos segmentos da sociedade e dos deputados que estavam contrários à matéria. O ato imoral só foi derrubado por pressão popular. Eu vejo como um gesto de maturidade do Governo, que precisa ter a sensibilidade para rever seus atos. Esse é um dos vários atos administrativos que hoje lesam o Estado”, explicou o deputado.

Barreto comentou ainda que, apesar da revogação do ato, o Governo deixou de aplicar recursos para as problemáticas do Estado como a falta de infraestrutura nas unidades hospitalares e o atraso de salários que afetam os terceirizados da saúde e os servidores públicos.

“Infelizmente, foram R$ 4 milhões a menos para investimentos, que poderiam ser aplicados na saúde e segurança. Quem recebeu, recebeu de boa-fé. Mas o governo precisa ter a sensibilidade que nem tudo que é legal, é moral”, ponderou Wilker.

Através da Lei Delegada nº 123, aprovada em 31 de outubro do ano passado pela base governista na Assembleia Legislativa do Estado (ALE), o Governo do Amazonas alterou as remunerações dos Secretários Executivos, inclusive os destinados à Casa Civil e à Vice-Governadoria, os secretários executivos, executivos adjuntos, diretores de autarquias e fundações, bem como titulares de outros cargos de confiança, totalizando 140 nomes. A medida elevou a folha de pagamento do Estado em mais de R$ 1,8 milhão nos meses de novembro e dezembro de 2019 e custaria R$ 25 milhões por ano aos cofres públicos.

Ação

Diante da revogação, os deputados Wilker Barreto, Dermilson Chagas (PP) e Serafim Corrêa (PSB) não precisaram ingressar com a ação no Ministério Público do Amazonas (MPE-AM) e Tribunal de Contas do Estado (TCE-AM) visando a nulidade do aumento salarial do alto escalão.
 
“Vamos ficar atentos se o Governo vai cumprir e respeitar a voz do povo. Caso contrário, vamos oficializar a judicialização nos órgãos de controle. Também estou estudando outras medidas para que o povo amazonense não seja lesado”, finalizou.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *