Será que eu sou marxista?

No atual cenário de destruição da cultura e da sociedade, como descobrir se fui contaminado pelo pensamento marxista?

Apesar de serem muitas e diferentes as vertentes do marxismo, existe um critério comum a todas elas. Saiba que critério é esse e por que ele deve ser “exorcizado” de toda teologia realmente católica.

Como descobrir se alguém foi ou não contaminado pelo pensamento marxista? Esse critério é importante porque, das várias vertentes de marxismo que se desenvolveram na história – a de Lênin e a de Trotski, a que promove a luta armada e a que defende a revolução cultural etc. –, existe algo comum a todas elas, algo que as torna como que um movimento único e uniforme.

Esse algo nada mais é do que a questão da verdade. Se uma pessoa acredita na existência de verdades objetivas, às quais é preciso adequar-se de qualquer modo, pode saber que não é marxista. Ao contrário, se uma pessoa vê todas as verdades como construções ideológicas, criadas por interesses econômicos ou políticos e a partir de uma luta, então, ela foi seriamente comprometida pelo marxismo.

Na famosa instrução Libertatis nuntius, a Congregação para a Doutrina da Fé, presidida pelo então Cardeal Joseph Ratzinger – hoje, Papa Bento XVI –, critica alguns aspectos relacionados à Teologia da Libertação. A sua tese de fundo é de que essa teologia, em sua vontade de ajudar os pobres e os oprimidos, é profundamente cristã e necessária. O problema é que existem princípios, dentro dessa mesma teologia, que não podem ser aceitos dentro do Cristianismo. Todo marxista, a fim de ter acesso à “verdade”, precisaria fazer uma análise crítica e desvendar a ideologia e os interesses classistas por trás de qualquer discurso. É essa luta que construiria a verdade, uma verdade “científica” e revolucionária.

Ao falar sobre a “subversão do senso da verdade”, o documento Libertatis nuntius afirma justamente isso. Para o marxista, “não existe verdade (…), a não ser na e pela praxis ‘partidarista'”. A verdade torna-se “a verdade de classe – não há verdade senão no combate da classe revolucionária” [1].

Por isso, quando um professor de teologia analisa todos os movimentos espirituais e teológicos da Igreja com má fé, buscando sempre um interesse mesquinho ou imperialista no pensamento dos santos, dos Papas e do Magistério, não resta dúvidas de que se trata de um legítimo representante da Teologia da Libertação marxista. De fato, o que faz com que as pessoas sejam marxistas é justamente a renúncia à verdade revelada por Deus, que é substituída por um constructo revolucionário.

Quem é verdadeiramente católico deve exorcizar de si esse tipo de pensamento. Como indica ainda a instrução da Congregação para a Doutrina da Fé, “o critério final e decisivo da verdade não pode ser, em última análise, senão um critério teológico” [2]. Ou seja, Jesus, vivo na Sua Igreja e nos Seus santos ao longo dos séculos, é a fonte da verdade (cf. Jo 14, 6). Uma teologia autenticamente libertadora e a serviço aos pobres deve tomar em consideração essa realidade, ainda que ela incomode ou cause desconforto, pois é apenas Cristo, a Verdade encarnada, quem pode redimir e libertar o homem (cf. Jo 8, 32).

 

Fonte: Padre Paulo Ricardo

Be the first to comment on "Será que eu sou marxista?"

Leave a comment

Your email address will not be published.


*