Policial Militar é preso suspeito de comandar quadrilha de tráfico de drogas

Policial, que foi candidato vereador de Manaus, foi localizado com 300 kg de drogas. Outras três pessoas foram presas.

Um policial miliar do Amazonas, que também é ex-candidato a vereador de Manaus, chefiava uma quadrilha que traficava drogas e que foi presa com 300 kg de maconha e outros entorpecentes. A informação foi divulgada pela Polícia Civil, após a prisão de quatro homens na terça-feira (2). Uma casa luxuosa na Zona Centro-Sul da capital era usada para manter os carregamentos de drogas.

Bruno Albuquerque da Costa, Alan Kennedy de Souza Nascimento e Jamesson Alves de Souza foram presos suspeitos de tráfico de drogas (Foto: Adneison Severiano/G1 AM)

O PM apontado como líder da quadrilha é Robson Almeida Siqueira Filho, 33 anos, conhecido “Robinho”. Ele disputou eleição de 2016 para vereador de Manaus e obteve mais de 2 mil votos.

O militar foi preso em flagrante durante ação policial contra o tráfico de drogas, segundo a Polícia Civil.

“O Robson é o cabeça dessa organização criminosa. Ele é o contato com os proprietários da droga, que traziam para Manaus e revendiam para ele. Ele repassava para os outros membros da organização que revendiam”, afirmou o diretor do Departamento de Repressão ao Crime Organizado (DRCO), delegado Guilherme Torres.

Também foram presos

  • Bruno Albuquerque da Costa, 29 anos, conhecido como “Pitilico”;
  • Alan Kennedy de Souza Nascimento, 28 anos;
  • Jamesson Alves de Souza, 36 anos.

A ação foi desencadeada pelas equipes do DRCO com apoio dos policiais civis da 31ª Delegacia Interativa de Polícia (DIP), do município de Iranduba, distante 27 km da capital, e servidores da Secretaria Executiva-Adjunta de Inteligência (Seai), da Secretaria de Estado de Segurança Pública do Amazonas (SSP-AM).

“Tivemos informação de que uma lancha tinha descido o rio com uma grande quantidade de drogas e fuzil de Tefé. Fomos até Iranduba , no momento que aquelas pessoas estavam ali porque tinha dado um problema na lancha, nós efetuamos a abordagem. O policial militar falou várias informações contraditórias. Primeiro disse que estava de férias e depois que estava trabalhando velado”, contou o diretor do DRCO.

Robson e outros três homens foram interceptados na comunidade do Jandira, em Iranduba. Durante abordagem, o policial militar foi preso e, segundo a Polícia Civil, ele estava com um veículo roubado de São Paulo. O carro modelo Honda CRV estava com placa clonada.

Segundo a polícia, dentro do veículo foram encontradas uma cartela de ecstasy, 30 comprimidos de LSD, uma porção de cocaína e cédulas de dinheiro, que totalizam R$ 10 mil. Um carro modelo Jeep SUV e uma lacha também foram apreendidos.

O grupo foi trazido para Manaus. Os suspeitos revelaram a localização da base onde um carregamento de drogas era mantido escondido, em uma casa na Morada do Sol.

“A casa era alugada por um amigo do Alan. Uma residência grande e luxuosa com piscinas, que era usada somente para guardar a droga. Lá, eles também eles manipulavam e faziam LSD. Também foram encontrados, aproximadamente, 300 kg de maconha do tipo skunk e uma estufa onde eles trabalhavam as drogas para fazer o LSD”, explicou o delegado.

As participações de outras pessoas serão investigadas pela Polícia Civil. O policial militar preso não foi apresentado em coletiva de imprensa na manhã desta quarta-feira (3). Robson Almeida Filho foi levado para o Batalhão de Guarda da Polícia Militar. Ele foi autuado, em flagrante, por tráfico de drogas, associação para o tráfico e receptação, além de ser indiciado por adulteração de veículo automotor.

Bruno e Alan foram autuados por tráfico de drogas. Jamesson era foragido do município de Tefé e tinha mandado de prisão preventiva decretado. Os três não quiseram comentar as acusações da polícia. A defesa do PM preso não foi localizada para falar sobre assunto.

 

Com Informações do G1 Amazonas

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *