Dermilson requer que órgãos fiscalizadores tomem providências sobre a situação dos servidores da Suframa

Mediante a mesa diretora da Assembleia Legislativa do Amazonas (Aleam), o deputado Dermilson Chagas (PP) entrará com processo junto aos órgãos fiscalizadores para que tomem providência com relação à carta de manifestação assinada pelo sindicato dos servidores da Suframa que estão inconformados com a má gestão.

Em seu discurso na tribuna, Dermilson afirmou que a Suframa passa por um processo de abandono e que há servidores insatisfeitos com os salários e principalmente com as condições de trabalho. Além disso, os recursos arrecadados pelas empresas do Polo Industrial de Manaus (PIM) estão travados há mais de 10 anos pelo Governo Federal impendido que a Suframa realize a sua função de iniciar o desenvolvimento regional.

“Interior só lembra do passado quando se fala de Suframa, porque há anos que a autarquia não faz um centavo de investimento e os governadores dos outros Estados da região não participam da reunião do Conselho de Administração (CÁS). Estamos vendo mais uma vez, funcionários reclamando de uma péssima gestão e precisamos que esse novo gestor que na prática não sabe fazer nada, explique o que está acontecendo. Precisamos desses esclarecimentos”, disse Dermilson.

Dermilson cita também a revolta dos servidores sobre cargos comissionados que estão loteados politicamente por pessoas sem preparo técnico. “E que há também uma briga de egos entre esses gestores e que o erário paga caprichos individuais deles, e que isso está causando total descrédito com o Governo Federal e empresários”, disse.

Com o auxilio da mesa diretora da Assembleia, Dermilson também vai entrar com processos junto ao Tribunal de Contas da União (TCU), Controladoria Geral da União (CGU) e Ministério Público Federal (MPF) para que tomem providências sobre a situação atual dos servidores da Suframa. “Não dá para ficar do jeito que estar. Ali está depositado um futuro dos nossos filhos e a esperança de quatro milhões de habitantes”, afirmou.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *