CBF compra horário na TV Brasil para exibir amistosos da seleção

Pelé será o comentarista dos dois amistosos do Brasil no próximo mês. A contratação do melhor jogador da história do futebol nacional faz parte do ousado projeto bancado pela CBF de produzir e transmitir as partidas de sua seleção a partir de agora.

O clássico contra a Argentina, no dia 9, será o primeiro. Quatro dias depois, a confederação fará o mesmo no amistoso contra a Austrália. Os dois jogos serão realizados em Melbourne.

No novo acordo, a TV Brasil vai exibir os amistosos. A CBF comprou o horário na emissora estatal para transmitir as partidas. Os valores não foram divulgados pelas partes. Os dois jogos vão começar às 7h (de Brasília).

Foto – Reprodução Internet

A Bandeirantes deve ser anunciada como parceira nesta semana. A confederação exibirá também o seu conteúdo na emissora sediada em São Paulo.

A iniciativa da CBF segue uma tendência mundial no esporte. Atualmente, clubes e ligas já começam a produzir seus próprios eventos.

Eles acreditam que vão arrecadar mais ao vender os seus produtos diretamente aos anunciantes nas mais diferentes plataformas.

Até o ano passado, a Rede Globo transmitia com exclusividade todos os amistosos da seleção brasileira.

Até agora, a CBF não fechou contrato com a emissora carioca. Executivos envolvidos na negociação não acreditam que a Globo chegará a um acordo com a entidade.

Pelo novo modelo, a confederação vai expor na transmissão os seus dez patrocinadores oficiais e ainda venderá espaço para empresas que não sejam concorrentes dos seus parceiros.

A operação será baseada nos estúdios da CBF, que ficam no prédio da entidade, no Rio. De lá, Pelé fará os seus comentários. Em breve, serão anunciados os principais nomes da equipe. Pelo menos 50 profissionais vão trabalhar no Brasil e em Melbourne.

Em janeiro, a CBF testou o modelo no amistoso contra a Colômbia, no Engenhão.

A entidade não cobrou pelos direitos de transmissão e distribuiu o sinal para emissoras de todo o mundo, além de liberar para exibição em vídeo nas redes sociais.

FACEBOOK

Além de disponibilizar os dois amistosos na TV aberta, a entidade está perto de fechar acordo com o Facebook para transmitir os jogos da seleção pela internet.

A Folha teve acesso ao plano comercial para as partidas apresentadas pela rede social aos anunciantes.

Segundo o documento, cada cota de publicidade é oferecida para os dois amistosos por R$ 2,3 milhões -R$ 1,8 milhão para o Facebook e R$ 500 mil para os cofres da entidade presidida por Marco Polo Del Nero.
Inicialmente, a intenção dos novos parceiros da entidade é vender as cotas pelo menos para cinco empresas.

O comprador terá direito a três menções e duas inserções durante a partida em cada tempo. A marca do parceiro também será exibida nos intervalos das partidas.

De acordo com o projeto, os anunciantes já terão suas marcas exibidas em anúncios promocionais dos amistosos a partir de quinta (dia 1º).

REVANCHE

A seleção brasileira deverá fazer oito amistosos até a abertura da Copa do Mundo da Rússia, em 2018.

A principal partida agendada é a revanche contra a Alemanha, marcada para março, em Berlim.

Já o Mundial, que é negociado pela Fifa, a CBF não conseguirá fazer.

A Globo já tem os direitos das edições da Rússia (2018) e do Qatar (2022).

A confederação cogita a possibilidade de estender o projeto para as eliminatórias do Mundial do Qatar.

A entidade não tem contrato com nenhuma emissora de TV para a próxima edição do torneio classificatório.

Nos próximos dias, a CBF deverá também fechar contrato com um canal fechado para os dois amistosos na Austrália. A emissora também teria que exibir o conteúdo produzido pela entidade caras novas.

Em sua convocação para os jogos contra Argentina e Austrália, Tite deu folga para Neymar, Marquinhos, Miranda, Marcelo, Daniel Alves e Alisson, e oferecerá chance a nomes como Diego Alves, Rafinha, Alex Sandro, Jemerson e David Luiz. Gabriel Jesus volta após lesão.

REDES SOCIAIS TRAVAM BRIGA POR TRANSMISSÕES

Redes sociais mais populares da internet, Facebook e Twitter são rivais também na disputa para ser o canal oficial de grandes eventos, e o esporte tem papel estratégico nesse duelo.

As ligas profissionais dos Estados Unidos são as mais visadas. O Twitter já produz conteúdo exclusivo para seus usuários na NBA (basquete) e exibiu jogos gratuitamente da MLB (beisebol) e NHL (hóquei no gelo), em 2016.

No mesmo ano, estima-se que pagou US$ 10 milhões (R$ 32,6 milhões na cotação atual) para transmitir em sua plataforma dez partidas da NFL (futebol americano).

Em março, o Facebook assinou acordo com a MLS (liga principal de futebol nos EUA e Canadá) e com o conglomerado de mídia em língua espanhola Univision Communications para o streaming de pelo menos 22 jogos em inglês neste ano.

Antes, também fez acordo de transmissão com a MLB (20 jogos ao vivo), mostrou amistosos das seleções feminina e masculina de basquete dos Estados Unidos antes dos Jogos do Rio, em 2016, e exibiu a quase toda a temporada da liga de desenvolvimento da NBA.

A mudança do mercado já tem reflexos na publicidade. Segundo uma consultoria norte-americana, o investimento em anúncios em 2017 deve chegar a US$ 73 bilhões na internet e US$ 71 bilhões na TV nos EUA.

GLOBO

Em nota, assessoria de imprensa da Globo afirma que não concorda com o modelo usado pela CBF para negociar os amistosos da seleção, mas que buscou um acordo, sem sucesso. Leia abaixo o texto da emissora:

“O futebol sempre foi um conteúdo importante para o brasileiro e, por isso, é estratégico para a Globo e o SporTV.

Acreditamos que com compromissos de longo prazo conseguimos oferecer a melhor e mais completa experiência para o torcedor brasileiro, para as equipes, para os anunciantes e suas marcas. Foi pensando assim que adquirimos os direitos da Copa do Mundo até 2022 e que temos vários eventos e parcerias de longo prazo.

A CBF tinha planos de negociar os direitos dos Amistosos e das Eliminatórias da Copa 2022 na forma de bid (leilão fechado). Recentemente decidiu vender os dois jogos amistosos de junho de forma avulsa e, embora não acreditemos que esta seja a melhor solução para todas as partes, tentamos negociar mas não chegamos num acordo.

O Grupo Globo defende um mercado de concorrência e acredita que tem a melhor solução de visibilidade e envolvimento para os eventos da nossa seleção, tanto pela audiência quanto pela qualidade de transmissão e modelo econômico, mas respeitamos se a CBF pensa diferente.

Nós mantemos o nosso compromisso com o futebol e o nosso interesse em continuar trabalhando com a CBF na construção de acordos que sejam bons para todos – para a própria CBF, para o Grupo Globo, para os anunciantes e suas marcas, mas sobretudo para o público torcedor apaixonado pelo futebol e pela seleção brasileira.”

 

Com Informações da Folha de São Paulo

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *