Alessandra Campelo diz para Josué Neto, “Honre suas calças, seu moleque”.

Brasília – O adiamento para 2017 da abertura da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) que vai investigar a aplicação de R$ 20 milhões da Agência de Fomento do Estado (Afeam) em cotas do Fundo de Investimento de Participações Expert (Fip Expert), gerou discussão, na manhã de ontem (15), na Assembleia Legislativa do Estado (ALE). A confusão que durou cerca de cinco minutos foi protagonizada pelo presidente da Casa, deputado Josué Neto (PSD) e a deputada Alessandra Campelo (PMDB).

Assembleia não poderia mais continuar com uma Mesa Diretora que trabalha contra os deputados.
Foto: Divulgação

Durante o pronunciamento na tribuna do Plenário, onde lamentou o adiamento da abertura da CPI da Afeam, divulgado, ontem, pelo DIÁRIO, Alessandra afirmou que a Mesa Diretora da Casa está tentando protelar a CPI. Logo após a deputada sair da tribuna, Josué Neto rebateu as alegações da parlamentar, o que deu início ao bate-boca.

Após chamar o deputado Josué Neto de “mentiroso” por dezenas de vezes, Alessandra Campelo afirmou que a ALE não poderia mais continuar com uma Mesa Diretora que trabalha contra os deputados. “Vossa excelência é um mentiroso e não merece estar sentado ai”, disse a parlamentar.

Josué, por sua vez, afirmou que Alessandra pediu para a sessão encerrar mais cedo para viajar. A parlamentar, enfurecida, rebateu: “Eu não tenho preguiça de trabalhar, diferentemente do Senhor que vem ao plenário, dá bom dia e vai embora”.

Enquanto Josué tentava explicar sua frequência no parlamento, a deputada continuou: “Honre suas calças, seu moleque”.

O  presidente da Casa tentou se explicar repetidamente: “Todos sabem que trato tudo com a verdade. Não vou lhe xingar, deputada”. Os  senhores sabem quem está dizendo a verdade. Vocês me veem aqui todo os dias e ela disse que eu só bato ponto e vou embora. Isso não é verdade”.

Mesmo após o parecer jurídico da Procuradoria Geral da ALE afirmar que a instalação da CPI deve ser de forma imediata e sem a necessidade de ser aprovada por nenhum outro órgão interno, a direção da Casa manteve na  Comissão de Constituição e Justiça (CCJ), protelando as investigações para 2017.

Antes da discussão, Alessandra Campelo havia destacado que o deputado Belarmino Lins (Pros) distribuiu memorandos a cada líder partidário e de bancada a designarem nomes para a composição da CPI, obedecendo o parecer da PGE. Porém, no dia seguinte, Josué Neto também expediu memorandos pedindo para deputados desconsiderarem os atos do deputado Belarmino Lins.

 

Matéria: Asafe Augusto
Com informações do Diário do Amazonas

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *