Ação da JBS chega a cair quase 20%; Bovespa volta a recuar

Na sexta-feira, a bolsa fechou em alta de 1,69% após o tombo do dia anterior.

A Bovespa opera em queda segunda-feira (22) em queda, com as ações da JBS se destacando entre as maiores perdas do dia, ainda repercutindo a crise política desencadeada pelas delações de dirigentes da JBS que atingiram o presidente da República, Michel Temer.

Às 13h11, o Ibovespa, principal indicador da bolsa, caía 2,01%, aos 61.380 pontos. Veja a cotação.

CVM abre cinco processos para investigar operações da JBS (foto- Reprodução)

Perto do mesmo horário, as ações da JBS lideravam as perdas, caindo 19,06%. Até agora, a empresa já perdeu cerca de R$ 4,6 bilhões em valor de mercado no pregão desta segunda, segundo a Economatica.

A agência de risco Moody’s decidiu nesta segunda cortar o rating da empresa e de sua subsidiária nos Estados Unidos. A nota da JBS foi reduzida para ‘Ba3’ ante ‘Ba2’, enquanto a dívida garantida da JBS USA teve a nota cortada para ‘Ba2’ ante ‘Ba1.

Antes disso, a Comissão de Valores Mobiliários (CVM) já havia aberto cinco processos administrativos contra a empresa na semana para investigar supostas irregularidades como o uso de informações privilegiadas em negociações de dólar futuro e ações.

A ação da JBS é a 20ª na lista das maiores participações do Ibovespa, com peso de 1,3% na composição do índice.

As ações da Petrobras também têm dia de baixa, de olho no cenário político, apesar da alta nos preços do petróleo. Perto do mesmo horário, a empresa perdia 1,53% nas ações ordinárias (que dão ao acionista direito a voto em assembleias da empresa) e 3,52% nas preferenciais (com preferência na distribuição de dividendos).

Os papéis preferenciais do Bradesco e do Itaú Unibanco, com peso importante na composição do Ibovespa (7,87% e 10,85%, respectivamente), também operavam no vermelho.

Na outra ponta, a BRF se destacava entre os maiores ganhos do dia, subindo mais de 4%. Também entre as altas, Vale subia, em dia de alta nos preços do minério na China.

Crise política

Nesta semana, o mercado aguarda decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) na quarta-feira (24) sobre o pedido de Temer para suspender o inquérito contra ele.

“Apesar da calmaria no relatório Focus, o mercado ainda anda apreensivo com o rumo do caso Temer”, disse ao G1 o economista Alexandre Cabral. “Todos estão esperando o julgamento no plenário do STF do pedido de Temer para suspender o inquérito. Será uma semana de muita volatilidade no mercado financeiro.”

No boletim Focus divulgado pelo Banco Central nesta segunda, a expectativa dos economistas para o dólar no fim do ano recuou de R$ 3,25 para R$ 3,23. As previsões para inflação baixaram de 3,93% para 3,92%. Já as estimativas para o Produto Interno Bruto (PIB) se mantiveram estáveis.

De olho nas reformas

Jason Vieira, economista chefe da Infinity Asset, diz que o mercado segue monitorando o rumo das reformas econômicas no Congresso em meio à crise política, especialmente a trabalhista e a da Previdência. “A volatilidade reflete o cenário de incertezas, a falta de um contexto que indique o que vai acontecer em termos de votação. Isso é mais importante que a manutenção ou não do presidente”. Segundo Vieira, o mercado “vai andar mais ou menos no mesmo rumo” até que o Congresso indique o rumo da votação das reformas.

Nesta segunda, o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, admitiu que a crise política pode atrasar a aprovação da reforma da Previdência, noticiou a colunista do G1 Thais Herédia. O atraso, segundo ele, seria de algumas semanas. Meirelles disse que está tratando pessoalmente com o Congresso para manter a agenda de reformas econômicas e que não vê um atraso de “meses”.

A crise política gerada pelas delações dos empresários Joesley e Wesley Batista, donos da JBS, ameaça paralisar os trabalhos previstos para esta semana no Congresso Nacional, onde a oposição passou a liderar um movimento a favor do impeachment de Temer. Além disso, segundo o colunista do G1 Gerson Camarotti, os articuladores políticos do governo foram avisados que parte da base aliada quer a renúncia do presidente.

Tombo na semana passada

Na semana passada, a Bovespa caiu 8,2%, em semana de pânico nos mercados, repercutindo notícia publicada no jornal O Globo de que o dono da empresa JBS gravou o presidente da república, Michel Temer, dando aval para comprar silêncio do ex-presidente da Câmara, Eduardo Cunha. O Supremo Tribunal Federal (STF) autorizou abertura de investigação contra Temer.

A Bovespa fechou em alta de 1,69% na sexta-feira (19), recuperando parte das perdas da véspera, quando a bolsa registrou sua maior queda diária desde 2008, caindo 8,8%.

 

Com Informações do G1

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *